Domingo - Manaus - 18 de agosto de 2019 - 07:47

MANAUS-AM

Tiroteio no Praça da Matriz deixa feridos e causa pânico em Manaus

Dois suspeitos foram presos por tentar matar um homem, que levou um tiro nas costas e está internado

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 17 de novembro

Confusão aconteceu no final da tarde, na praça recém reinaugurada

Foto: Divulgação

Três pessoas foram baleadas na tarde desta sexta-feira, 17, após um tiroteio na Praça da Matriz, no Centro de Manaus. Policiais da 24ª Companhia Integrada Comunitária (Cicom) que atuam em motos na área conseguiram prender dois homens em flagrante, acusados de serem os autores dos disparos. Com eles os policiais apreenderam um revólver calibre 38. A troca de tiros possui indícios de acerto de contas.

Os baleados foram identificados como Nivea  Solimões, 34, Agnaldo  da Silva, 44, e o haitiano Carnon Nelson, também de 34 anos. De acordo com a polícia, Nivea foi alvejada de raspão na perna, Agnaldo no braço direito e Carnon na perna esquerda. Todos foram socorridos por ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

Ainda segundo a polícia, as investigações preliminares dão conta que nenhum deles seriam os alvos e foram atingidos por balas perdidas. Vanildo Porto da Silva, 34, baleado nas costas, era o alvo principal dos tiros, Ele foi de táxi para o Serviço de Pronto Atendimento (SPA) da Colônia Oliveira Machado, na zona sul, e, posteriormente, foi encaminhado ao Hospital João Lúcio, na zona Leste.

Vanildo possui passagem na polícia por furto e, ainda na noite desta sexta-feira, será ouvido pela Polícia Civil. A PM continua as buscas por dois dos envolvidos na ocorrência, que conseguiram fugir do local.

Richarleson Pereira Antunes, 29, que tem passagem pela polícia por roubo e porte ilegal de arma, e Maxino Ferreira Dantas, 23, que não possui registro policial, foram detidos na região conhecida como Itamaracá. Os dois homens foram encaminhados ao 1o Distrito Integrado de Polícia (DIP). 

Três pessoas que passavam pelo local foram feridas, mas não correm risco de morte