Sexta-feira - Manaus - 3 de julho de 2020 - 14:49

MANAUS-AM

Prefeitura quer alugar sítio na AM-010 para retirar venezuelanos de área pública

Atualmente, 180 venezuelanos moram de forma improvisada no entorno da rodoviária de Manaus

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 21 de mai

Apesar das condições precárias, os refugiados persistem em permanecer no local 

Foto: Matheus Sampaio

Thiago Fernando - Da Redação

Camas improvisadas com lonas espalhadas sobre a grama, massa de pizza pré-assada crua acompanhada com café para alimentar as crianças e fogão à lenha adaptado no canteiro da alça que liga a Avenida Djalma Batista com a rua dos Franceses. É assim que cerca de 180 venezuelanos – indígenas da tribo Waraos e não indígenas –  estão vivendo nos arredores da Rodoviária de Manaus, zona Centro-sul. Apesar das condições precárias, os refugiados persistem em permanecer no local ao invés de aceitarem a proposta da prefeitura de levá-los para abrigos.

De acordo com a Secretaria Municipal da Mulher, Assistência Social e Cidadania (Semasc), atualmente, 762 venezuelanos estão acolhidos em três espaços acolhimento provisório nos bairros Alfredo Nascimento, Centro e Coroado, sendo desse total 317 crianças.

A prefeitura ainda informou que já disponibilizou novas vagas para os refugiados presentes na Rodoviária, todavia, eles preferiram permanecer no local.

Sítio

Durante o seminário “Refugiados, Migrantes e Vulnerabilidade: Compartilhando Experiências e Fortalecendo Respostas na América do Sul”, promovido pela Embaixada da França no Brasil, Cooperação Regional Francesa para a América do Sul e a Agência da ONU para Refugiados (Acnur), o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, reafirmou a proposta de alugar um sítio no km 53, da AM-10, para o acolhimento rural dos Waraos.

Ainda não há detalhes onde será este espaço, mas com o pedido do prefeito Arthur Neto, algumas áreas já devem começar a ser estudadas para abrigar os venezuelanos.

Dos refugiados presentes na área, sua maioria é formada por crianças de até cinco anos e mulheres. Sem banheiro, eles usam as dependências da rodoviária para fazer suas necessidades.

Desde o começo da crise no país vizinho, a Policia Federal já registrou 100 mil pedidos de refúgio e 64 mil pedidos de residência de venezuelanos, no Brasil. Para o representante da Acnur, Paulo Sérgio Almeida, é natural a escolha de Manaus como local de acolhimento devido a sua localização e estrutura.

No total, mais de 3 milhões de venezuelanos já deixaram o seu país.