Sábado - Manaus - 15 de agosto de 2020 - 12:00

MANAUS-AM

Manaus tem 65,8% do grupo prioritário vacinado contra a Influenza

Vacinação foi prorrogada em todo país até dia 30 de junho pelo Ministério da Saúde.

ADNEISON SEVERIANO

Publicado em 2 de junho - 14:23

A meta é imunizar mais de 500 mil pessoas contra gripe somente na capital. 

Foto: Divulgação

Já foram vacinadas contra a Influenza 329 mil pessoas do público-alvo da campanha em Manaus até dia 29 de maio, de acordo com balanço da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa). A meta é imunizar mais de 500 mil pessoas contra gripe somente na capital. Cerca de 65,8% desse grupo prioritário foi vacinado durante mais dois meses que vacina está disponível. A baixa procura pela vacina motivou Ministério da Saúde a prorrogar a campanha até 30 de junho.

O público-alvo prioritário da campanha são idosos, crianças de seis meses a cinco anos, gestantes, mães no pós-parto até 45 dias (puérperas), trabalhadores da saúde, adultos de 55 a 59 anos e professores. A vacina de idosos a partir de 60 anos continua sendo realizada em domicílio.

Desde dia 25 de maio, além dos 57 postos que já disponibilizam a vacina, a Semsa iniciou a oferta da vacinação em outros 55 locais distribuídos nas zonas Norte, Sul, Leste, Oeste e Rural, totalizando 112 postos em Manaus.

Para evitar aglomeração nos postos, a Semsa orienta a população para seguir um cronograma de atendimento, de acordo com o mês de nascimento. Pessoas que nasceram nos meses de janeiro, fevereiro e março devem procurar um posto de vacinação nas segundas-feiras; pessoas nascidas em abril e maio podem procurar a Unidade de Saúde nas terças-feiras; em junho e julho nas quartas-feiras; agosto e setembro nas quintas-feiras; e outubro, novembro e dezembro nas sextas-feiras, seguindo até o final da campanha.

A lista com o endereço dos postos de vacina contra a influenza pode ser acessada no site da Semsa (http://semsa.manaus.am.gov.br).

Após encerramento da campanha e caso sobrem doses da vacina, a Semsa aguardará posicionamento do Ministério da Saúde para saber poderá vacinar pessoas que não estão no grupo prioritário.

Campanha

Na primeira fase da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe de 2020 iniciada no dia 23 de março, mais de 100% do grupo prioritário em todo Brasil, idosos com 60 anos ou mais e trabalhadores de saúde foram vacinados contra influenza, ou seja, acima da meta de 90%. Durante a segunda fase, no entanto, a cobertura foi de 66,61% no país.

A terceira e última fase teve início no dia 11 de maio, com prioridade aos grupos formados por pessoas com deficiência, crianças de 6 meses a menores de 6 anos, gestantes, puérperas, professores e pessoas de 55 a 59 anos de idade. A meta é vacinar 90% dos grupos prioritários, porém, até o momento, foram vacinadas apenas 25,7% de 36,1 milhões de pessoas estimadas nesta terceira fase. Desde o início da ação nacional, em 23 de março, 50 milhões de pessoas foram vacinadas, faltando ainda 28,3 milhões que ainda não receberam a vacina da Influenza em todo o país.

O Ministério da Saúde afirma que mantém a vigilância da influenza no Brasil por meio da vigilância sentinela de Síndrome Gripal (SG) e de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) em pacientes hospitalizados. São 200 unidades distribuídas no país e tem como objetivo principal identificar os vírus respiratórios circulantes, permitir o monitoramento da demanda de atendimento dos casos hospitalizados e óbitos.

Em 2020, até o dia 23 de maio, foram registrados 1.483 casos de SRAG hospitalizados por influenza (gripe) em todo o país, com 205 mortes. Do total de casos que já tiveram a subtipagem identificada, 581 foram casos de influenza A (H1N1), com 78 óbitos; 64 casos e 13 óbitos por influenza A (H3N2); 361 de influenza A não subtipado, com 61 mortes; e 477 casos e 53 óbitos por influenza B.

A Síndrome Respiratória Aguda Grave é uma síndrome respiratória infecciosa que pode levar a complicações clínicas e internações hospitalares. A maioria das infecções por SRAG é de eologia viral, dentre eles, Influenza A e B, Vírus Sincicial Respiratório (VSR), Adenovírus, Parainfluenza, Coronavírus e Metapneumovírus. Estas infecções geralmente estão associadas aos períodos sazonais que variam de acordo as regiões, em temperatura e umidade. No Amazonas, a sazonalidade ocorre no período chuvoso, correspondendo aos meses de novembro a abril. Em todo o território amazonense foram confirmados 587 casos em 2019 e 74 mortes por SRAG. Enquanto até dia 26 de maio deste ano, o Amazonas registrou 3.550 casos confirmados das Síndromes Respiratória Aguda Grave e 1.755 óbitos.