Sábado - Manaus - 15 de dezembro de 2018 - 03:24

MANAUS-AM
VENEZUELANOS

Mais de quatro mil venezuelanos já entraram no Amazonas em pouco mais de um ano

De acordo com a Secretaria de Estado de Assistência Social (Seas), chegam em média 30 a 40 venezuelanos não indígenas em Manaus todos os dias

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 12 de março - 07:04

A este número ainda são acrescidos 640 índios da etnia warao, que se instalaram em abrigos da capital em 2017

Foto: AFP

A crise humanitária na Venezuela já provocou o êxodo de aproximadamente 40 mil venezuelanos para o Brasil em pouco mais de um ano. Depois de Roraima, o Amazonas é um dos Estados preferidos dos imigrantes em virtude da ligação por estrada, pela BR-174. O que antes era visto principalmente como ligação turística, agora é usada como rota de fuga.

De acordo com informações da Polícia Federal, em 2017, cerca de 2.400 solicitações de refúgio foram registradas no Amazonas. Já nos dois primeiros meses de 2018 foram registrados aproximadamente 700 solicitações. A este número ainda são acrescidos 640 índios da etnia warao, que se instalaram em abrigos da capital em 2017. Entretanto, segundo a Prefeitura de Manaus, mais da metade deles já foi embora. E ainda existem aproximadamente mil que não estão registrados por qualquer órgão.

Os dados são confusos em todos o País. De acordo com o Governo Federal, um censo será realizado no prazo de até 90 dias para identificar quem entra e quer ficar no Brasil, quem só está de passagem para outro Estado, ou quem vai e volta para a Venezuela – a ideia é entender o que estas pessoas vieram fazer e o que pretendem no Brasil.

Os primeiros dados, de acordo com o ministro, apontam que 70% desses venezuelanos tem nível médio de escolaridade e 30% têm nível superior e deixaram seu país em busca de oportunidade por falta de comida, emprego, medicamentos.

Segundo o secretário da assessoria da Secretaria Municipal da Mulher, Assistência social e direitos Humanos (Semmasdh) Elias Emanuel, até o momento, está sendo realizado um plano de recepção como exigência do Prefeito Artur Neto.

“Estamos constituindo um plano de trabalho pra apresentar ao Ministério de Desenvolvimento Social e é uma exigência do prefeito Artur Neto que nós recepcionemos essas pessoas, mas com a garantia de transferência de recursos para a Prefeitura de Manaus”, explica.

O atendimento realizado pela secretaria é de aluguel das casas, entrega de alimentos, produtos de higiene e limpeza, auxílio para a emissão de documentos, matrícula em escolas e ações de saúde. Recursos do Governo Federal estão sendo utilizados para manter esses atendimentos, mas o secretário fala que precisa de uma garantia maior.

“Nós não temos como arcar com a chegada dessas pessoas de maneira irresponsável retirando recursos do município de Manaus. Entendemos que é uma questão humanitária, que a gente não pode dar as costas, mas precisamos da garantia do Governo Federal”, aponta.

Após acordo com Governo Federal, o Amazonas receberá mais 140 venezuelanos

Foto: AFP

Interiorização

No dia 1o  de março, o Ministério Público Federal (MPF) e alguns órgãos públicos discutiram o encaminhamento de imigrantes venezuelanos não-indígenas como parte do processo de interiorização dos imigrantes, que segundo o Governo Federal, serão transferidos para o interior de estados brasileiros. 

Nesse primeiro momento, o Amazonas receberá mais 140 venezuelanos, com 100 de responsabilidade da Prefeitura Municipal de Manaus, e 40 oferecidas por Entidades não-governamentais. Já São Paulo deve receber cerca de 350 imigrantes. A transferência deve acontecer no mês de Abril.

Casos de sarampo, que não eram registrados no Amazonas há 15 anos, voltaram a aparecer

Foto: AFP

Sarampo já preocupa autoridades

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), órgão da Secretaria de Estado de Saúde (Susam), emitiu, na quarta-feira, 07/03, a Nota Técnica alertando os profissionais da rede de saúde para a necessidade de intensificação das ações de vigilância epidemiológica do Sarampo e do Diagnóstico Diferencial.

De acordo com o secretário estadual de Saúde, Francisco Deodato, a Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), passa a ser o local de referência para o atendimento à doença. A Nota Técnica explica que todos os casos suspeitos detectados em unidades públicas e privadas devem ser encaminhados para o serviço de Pronto Atendimento da FMT-HVD, unidade da Susam situada na Avenida Pedro Teixeira, nº 25, bairro Dom Pedro, zona centro-oeste.

As medidas que estão sendo adotadas, disse Deodato, levam em consideração a ocorrência de surto epidêmico de sarampo na Venezuela, no Estado de Bolívar, e em áreas fronteiriças com o Brasil, e a confirmação de casos de importados em Boa Vista (RR). Segundo ele, faz parte do plano de intensificação das ações de vigilância epidemiológica para evitar a reintrodução do sarampo no Amazonas, que há 15 anos não registra casos da doença.

Considera-se caso suspeito todo indivíduo que, independente da idade, apresentar febre e pequenas manchas vermelhas, acompanhado de um ou mais dos seguintes sinais e sintomas: tosse e/coriza/ou conjuntivite; com histórico de viagem a região com caso confirmado de sarampo nos últimos 30 dias, ou de contato no mesmo período com alguém que viajou a esses locais.

FONTE: Reportagem: Nickson Maciel