Sexta-feira - Manaus - 19 de outubro de 2018 - 16:45

MANAUS-AM

Cada PM do Amazonas é responsável pelo policiamento de 458 habitantes

Segundo a Associação de Cabos e Soldados, seria necessário um efetivo de 12 mil policiais militares para fazer o policiamento ostensivo no Estado.

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 10 de junho - 09:49

No Estado, são 8.868 policiais militares para uma população mais de 4 milhões de habitantes

Foto: Reprodução

O Amazonas tem um (1) policial militar para cada 458 habitantes. O levantamento do TODA HORA e que mostra a defasagem do efetivo da corporação leva em conta a estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para habitantes no estado em 2017 e o quantitativo de servidores da polícia com base na folha de pagamentos de servidores ativos em abril, um dado disponível no portal da Transparência do Governo do Estado.  

No Estado, são 8.868 policiais militares para uma população mais de 4 milhões de habitantes. Com essa baixa quantidade de PMs, a corporação fica impossibilitada de, efetivamente, preservar a ordem pública e o meio ambiente no Estado do Amazonas, mediante um policiamento ostensivo de excelência. Ou seja, a PM fica impossibilitada de cumprir a missão para a qual existe.  

Na capital, a proporção é de 369 habitantes para um único policial militar. Mas essa discrepância pode ser ainda maior porque muitos dos PMs lotados em Manaus cumprem atividades administrativas ou em creches, por exemplo.  

Há municípios do interior onde a tropa conta com apenas quatro homens de acordo com a folha de pagamentos de servidores ativos em abril. Japurá, Nova Olinda, Silves e Tonantins contam, cada um, com uma tropa de seis PMs.  

No mês passado, o Governo do Estado divulgou a estimativa de vagas para o concurso da segurança pública que, até o momento, sequer tem edital divulgado e data para ocorrer. Para a PM, a previsão é de 661 vagas, sendo 20 vagas para cabo especialista de músico, 20 para cabo especialista de saúde, 20 para oficial de saúde e 601 para soldado combatente. O último concurso para a Polícia Militar ocorreu em 2011.  

Para o presidente da Associação de Cabos (ACS), Igor Silva Gomes, essa quantidade de vagas prevista não resolveria a baixa quantidade de homens na tropa. Seria necessário, segundo Igor, um efetivo de 12 mil homens para promover um policiamento ostensivo ideal, 3 mil a mais do quantitativo atual. “O efetivo hoje está aquém. As vezes um município tem um PM que faz o papel de investigador e delegado da Polícia Civil”, disse.  

Segundo Igor, a associação acredita que seria necessário realizar um concurso anual com 600 vagas para manter um equilíbrio permanente da tropa. “Cada ano saem cem PMs da ativa. Com o baixo efetivo, a marginalidade está crescendo, o número de homicídios, roubos e latrocínios só aumentam”, contou.  

Enquanto no Amazonas há apenas 8,8 mil PMs, no Pará, a tropa conta com 15 mil homens. O dado é da Agência Pará. O estado vizinho tem o dobro de habitantes em relação ao Amazonas, 8 milhões de habitantes. Lá, há um PM para cada 557 habitantes.  

Mapa da violência mostra crescimento dos homicídios em mais de 100%

Com baixo efetivo para realizar o policiamento ostensivo, a criminalidade aumenta. É o que comprova o Atlas da Violência 2018 divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) no início deste mês.  

O Atlas traz dados no período de dez anos, de 2006 a 2016, e mostra que o número de homicídios cresceu 107,7% no Amazonas. Em 2006, ocorreram 699 casos, em 2016 foram 1.452.  

Em 2006, havia 21 homicídios para cada 100 mil habitantes do Amazonas. Dez anos depois, essa taxa subiu para 36,3 homicídios por 100 mil habitantes. A taxa do Amazonas é maior que a média nacional. No Brasil, para cada 100 mil habitantes há 30,3 mortes. Entre os 26 estados da federação, o Amazonas está na 15posição em relação a maior taxa de morte por 100 mil habitantes.  

Só por arma de fogo, 791 pessoas foram mortas em 2016. Em dez anos, houve crescimento de 108,7% no número de mortes por armas de fogo.

O número de homicídios de jovem com idade entre 15 e 29 anos de idade no Amazonas também cresceu: 82,7%. O número de negros mortos aumentou 91,3%. Mais assustador ainda é o crescimento de morte de mulheres. O número de mulheres mortas subiu 118,9%.


FONTE: Reportagem: Pedroso de Jesus