Domingo - Manaus - 22 de outubro de 2017 - 09:16

BRASIL

Prisão preventiva de Nuzman é decretada por tempo indeterminado

Pedido do MPF alegava que o presidente afastado do COB poderia interferir na produção de provas, caso ficasse em liberdade

MÁRIO ADOLFO FILHO

Publicado em 9 de outubro - 23:10

Os procuradores teriam alegado que Carlos Nuzman poderia interferir na produção de provas

Foto: AFP

Após pedido do Ministério Público Federal, a prisão preventiva de Carlos Arthur Nuzman, presidente afastado do Comitê Olímpico Brasileiro, foi decretada nesta segunda-feira, 09/10. A decisão foi anunciada pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio.de Janeiro. Ele estava preso desde a última quinta-feira 05/10, como prisão temporária fruto da Operação Unfair Play, que investiga a compra de votos das Olimpíadas 2016.

Segundo informações do G1, a prisão temporária do presidente afastado terminaria nesta segunda, 09/10, motivo pelo qual o MPF do Rio de Janeiro entrou com o pedido de prisão preventiva, para que a medida fosse estendida sem prazo determinado. Os procuradores teriam alegado que Carlos Nuzman poderia interferir na produção de provas, caso ficasse em liberdade 

O despacho do juiz afirma que "na fase atual da investigação, o MPF apresenta robustos elementos de prova em relação a Carlos Nuzman, que vão além da mera colaboração e já indicam a prática do delito de pertinência à organização criminosa".

Leonardo Gryner, ex-diretor do COB e do Comitê Rio 2016, também suspeito de envolvimento no esquema de compra de votos para a escolha do Rio de Janeiro como sede dos Jogos Olímpicos, deve ficar preso por mais cinco dias. A extensão da prisão temporária de Gryner também foi decidida pelo juiz Marcelo Bretas, alegando que ainda existe "grande quantidade de informações contidas em documentos e aparelho celular pendentes de análise".