Terça-feira - Manaus - 12 de dezembro de 2017 - 03:30

MANAUS-AM

Polícia prende casal suspeito de integrar quadrilha que desviou R$ 6 milhões de hospital em Manaus

Marineide do Vale Maia e Renildo da Cruz Teixeira estavam na casa dos pais de Renildo, no bairro Cidade Nova

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 11 de outubro - 11:34

Delegado Rafael Guevara revelou que o casal vai responder por furto qualificado, organização criminosa e lavagem de dinheiro. 

Foto: Erlon Rodrigues

Manaus - Marineide do Vale Maia, 33, ex-funcionária de um hospital particular de Manaus, e o companheiro dela, Renildo da Cruz Teixeira, 37, vão responder por furto qualificado, organização criminosa e lavagem de dinheiro. O casal está envolvido em um esquema que, ao todo, desviou, aproximadamente, R$ 6 milhões da unidade hospitalar. As informações são do delegado Rafael Guevara, titular do 12º Distrito Integrado de Polícia (DIP).

De acordo com Guevara, Marineide trabalhava na unidade hospitalar como supervisora financeira. A prisão do casal ocorreu na tarde de terça-feira, dia 10, por volta das 18h, na residência dos pais de Renildo, situada na Rua Jorge Marques, Núcleo 16, bairro Cidade Nova, zona Norte da capital. Os mandados de prisão preventiva foram expedidos no dia 26 de setembro deste ano, pela juíza Eulinete Melo Silva Tribuzy, da 11ª Vara Criminal.

Conforme Guevara, as investigações em torno do caso duraram três meses. Em junho deste ano, Marineide, a assistente administrativa Silvia Borges Nogueira, 35, presa no último dia 28 de setembro, além de Flávio Lavareda Leão, 33, que era o gerente financeiro do hospital, e o analista financeiro Diego da Silva Martins, 31, foram demitidos após um minucioso levantamento de dados de desvio de dinheiro da unidade.

Flávio, Merineide e Diego atuavam no esquema criminoso criando empresas fantasmas que teoricamente prestavam serviços para o hospital. Os pagamentos a essas empresas fictícias eram depositados pelos três ex-funcionários nas contas de Renildo e outros dois envolvidos no esquema, sendo o companheiro de Flávio, Alexandre Holanda do Nascimento, 37, e a companheira de Diego, Rita de Cássia Bentes Martins, 37, que não eram funcionários da unidade hospitalar.

A autoridade policial explicou que como o hospital efetua, diariamente, muitos pagamentos a empresas que fornecem serviços à unidade, o crime não foi percebido de imediato pela direção da cooperativa. O titular do 12º DIP enfatizou que a evolução patrimonial de Marineide e Renildo, que fizeram uma reforma luxuosa na casa onde moravam, no bairro Cidade Nova, não era compatível com os salários deles.

O Rafael Guevara ressaltou que Flávio; Diego; Alexandro, e Rita de Cássia, que estão sendo procurados pela polícia, já estão com as prisões preventivas decretadas. Ao término dos procedimentos cabíveis no 12º DIP, Marineide será encaminhada ao Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF), e Renildo será levado ao Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM).

TH VIDEO

FONTE: Polícia Civil do Amazonas