Sábado - Manaus - 23 de junho de 2018 - 00:08

BRASIL

Com Alckmin sem foro, Lava Jato pede que ele seja investigado em São Paulo

Na investigação, Alckmin é suspeito de receber doações ilícitas de campanha por meio de seu cunhado, Adhemar César Ribeiro

REDAÇÃO TODA HORA

Publicado em 11 de abril - 07:29

A assessoria de imprensa do ex-governador Geraldo Alckmin não foi encontrada para comentar

Foto: Divulgação

O Ministério Público Federal em São Paulo (MPF-SP) pediu ao vice-procurador-geral da República, Luciano Mariz Maia, que envie “com urgência” os autos das investigações contra o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) para a primeira instância. O argumento central do pedido do MPF é de que, como Alckmin não tem mais foro privilegiado, seu processo não deve permanecer mais no Superior Tribunal de Justiça (STJ). As informações são da Veja.

A pressa para a mudança de foro se deve, segundo os procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato no estado, ao “andamento avançado de outras apurações correlatas sob nossa responsabilidade”. Na investigação, Alckmin é suspeito de receber doações ilícitas de campanha por meio de seu cunhado, Adhemar César Ribeiro.

O inquérito foi aberto a partir das delações premiadas dos ex-executivos da Odebrecht Benedicto Barbosa da Silva Júnior e Carlos Armando Guedes Paschoal e do ex-diretor da Camargo Corrêa Arnaldo de Souza e Silva. Alckmin renunciou ao governo de São Paulo na sexta-feira, 7, para disputar a Presidência da República pelo PSDB nas eleições de outubro. Em seu lugar, assumiu Márcio França (PSB).

O pedido para que os autos mudem de instância foi assinado pelos procuradores Adriana Scordamaglia, Ana Cristina Bandeira Lins, Anamaria Osório Silva, André Lopes Lasmar, Daniel de Resende Salgado, Guilherme Rocha Goppert, Janice Barreto Ascari, Luís Eduardo de Araújo, Lúcio Mauro Fleury Curado, Thaméa Danelon e Thiago Lacerda Nobre, que integram a força-tarefa paulista da operação.

Procurada por VEJA, a assessoria de imprensa do ex-governador Geraldo Alckmin não foi encontrada para comentar o pedido do MPF-SP.